HOME SOBRE CONTATO ANUNCIE


[Resenha] Agnes Grey - Anne Brontë


              Agnes GreySinopse: Publicado em 1850, Agnes Grey de Anne Brontë ultrapassa a Era Vitoriana com sua temática realista. A caçula da família Brontë não fica atrás de suas outras irmãs escritoras, Charlotte e Emily, ao criar uma protagonista disposta a enfrentar as convenções sociais da época e se firmar como uma mulher corajosa e dona de si. A obra exprime ideias sobre as mulheres e sua capacidade para uma vida baseada na razão, semelhantes as de Mary Wollstonecraft em Uma Defesa dos Direitos da Mulher (1792). Seu feminismo antecede ao dos romances de Charlotte Brontë, Elizabeth Gaskell, e George Eliot, mas só recentemente é que veio a ser reconhecido como um feito notável, distinto pelo seu realismo, seus temas significativos, e as suas técnicas literárias inovadoras. O trabalho de Anne Brontë, foi julgado insípido comparado ao de suas irmãs Charlotte e Emily, de fato é diferente do trabalho delas. Em Agnes Grey, Anne Brontë evita fortes paixões em favor de um retrato contido da vida real. A frase de abertura: Todas as verdadeiras histórias contêm instruções, sugere tanto o seu objetivo como o seu método: a demonstração, através do realismo, do crescimento espiritual e moral da heroína. Inspirada fortemente em suas próprias experiências, Brontë, convincente, apresenta a vida da governanta e os fatores que muitas vezes a fez insuportável. Ela cria para sua heroína e herói pessoas comuns que lutam em situações reais e difíceis, O tema subjacente, que as mulheres são seres racionais que devem ter os meios e oportunidades para sua independência e satisfação, se expressa principalmente na história de vida de Agnes. Procurando emprego, Agnes aceita a única ocupação disponível para mulheres de classe média, e ela embarca em sua carreira como governanta empolgada com a perspectiva não apenas de ganhar dinheiro, mas também de ampliar seus horizontes. Seu otimismo animado, no entanto, é ingênuo, com base na ignorância do mundo. O romance diz respeito a sua educação e crescimento para a maturidade. Apesar de seus fracassos como governanta, ela persevera, determinada a adotar uma abordagem lógica e racional para seus acusadores. Ela amplia sua compreensão da natureza humana, faz astutas avaliações de caráter e aprende a penetrar na hipocrisia. Embora ela sofra muitas humilhações, ela ganha autoconfiança, e em certos pontos, ela desafia abertamente a autoridade. Leitura imperdível para os apaixonados pelas outras irmãs Brontë e pela produção literária inglesa. 
Título: Agnes Grey |Autora: Anne Brontë |Páginas: 288 |Editora: Martin Claret |Ano: 2015 |Classificação:  5/5 | SKOOB 


Resenha: Agnes Grey foi o primeiro romance escrito por Anne Brontë, uma autora talentosíssima que teve seu trabalho obscurecido pela sociedade do século XIX que pouco aceitava críticas sociais. Se considerarmos que Agnes Grey foi publicado em plena era vitoriana, o escândalo a cerca do enredo do livro se tornaria ainda maior, uma vez que a autora utilizava o realismo para retratar tudo o que via a sua volta.

                                                                                               (Foto: Autoria Própria)

[Resenha] O Diário de Mr. Darcy - Amanda Grange


              O Diário de Mr. DarcySinopse: O único lugar em que Darcy podia compartilhar seus sentimentos mais profundos era nas páginas de seu diário.Atormentado entre o senso de dever para com o nome de sua família e seu crescente amor por Elizabeth Bennet, o leitor terá acesso à sua alma, ao drama de um cavalheiro que luta para não sucumbir ao amor. O Diário de Mr. Darcy: uma imaginação hábil e graciosa do ponto de vista de um dos heróis mais amados da mais duradoura história de amor de todos todos os tempos.

Título: O Diário de Mr. Darcy | Autor (a): Amanda Grange | Páginas: 220 | Editora: Pedrazul | Ano: 2015 | Classificação: 5/5  | SKOOB





Resenha: A leitura de O Diário de Mr. Darcy foi lindamente proveitosa. Como fã de Orgulho e Preconceito, sempre desejei ler essa adaptação escrita por Amanda Grange, mas confesso que não alimentei muitas expectativas, afinal, esse livro é narrado pelo protagonista do meu livro favorito da vida! Quão enganada eu estava por ter medo de ler esse livro...


                                                                                               (Foto: Autoria Própria)

Leituras de Janeiro (2018)



Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Hoje trago as leituras que fiz em Janeiro. Foram poucas, mas muito proveitosas. 

Espero que gostem do vídeo!




Se você gostou do vídeo, não se esqueça de dar um like e se inscrever no canal!

Me diga se vocês já leram alguns desses livros. Vou adorar conversar e trocar dicas literárias 😊

Um beijo e até a próxima!

Um sonho chamado Barnes & Nobles


Oi, pessoal! Tudo bem com vocês?

No post (Minha Viagem aos EUA) eu contei pra vocês o quão incrível foi passar 4 meses em Houston, Texas. Entre tantos motivos (muitos mesmo) está, é claro, a oportunidade de conhecer a livraria Barnes & Nobles.

[Resenha] Mary Poppins- P.L.Travers


       Sinopse: Uma das personagens mais originais e universalmente amadas da ficção, agora, na coleção Clássicos Zahar. Carregando um guarda-chuva e uma maleta, Mary Poppins entra em cena voando. Literalmente. Gravada no imaginário das crianças de várias gerações, essa chegada fabulosa da peculiar babá da família Banks abre as portas para muitas outras aventuras e surpresas, como a história da vaca dançante e um chá da tarde nos ares. Mary Poppins é durona e misteriosa, e totalmente irresistível. Publicado em 1934, o livro foi um sucesso instantâneo e desde então fascina leitores de todas as idades. Essa edição inclui apresentação, cronologia de obras e vida da autora, notas e tradução. Como extra, traz ainda uma palestra da autora sobre, não, escrever para crianças.


Título: Mary Poppins |Autora: P.L.Travers |Páginas: 192 |Editora: Zahar |Ano: 2017 |Classificação:  5/5 | SKOOB

Resenha: A resenha de hoje é sobre um livro infantil que foi escrito por uma autora que jura que seu livro não é para crianças. Confuso?


[Resenha] Renitências do amor (Série Predestinados #2)- Ligia Ortiz


Olá, leitores!! Tudo bem com vocês?

O post de hoje é em vídeo resenha do lançamento Renitências do Amor, da autora nacional Ligia Ortiz. Tive o prazer de ser sua leitora beta (inclusive, na contracapa do livro, tem um quote meu 💗) e agora trago minha opinião mais completa.

Sabe aquele tipo de New Adult que traz um casal apaixonante e que são uma explosão de paixão quando estão juntos? Renitências do Amor nos apresenta um casal que vive divididos entre a atração e as mágoas do passado.. Vem conferir a resenha para saber mais!



Se você gostou do vídeo, não se esqueça de dar um like e se inscrever no canal!

E se ficou interessado em ler Renitências do Amor, você pode comprar o livro físico ou o e-book (clique no nome e você será redirecionado para o site de compra).

Um beijo e até a próxima!

Minha Viagem aos EUA

                                                                               (Foto tirada em Austin, capital do Texas)

Heyy, pessoal! Tudo bem com vocês?

Depois de tanto tempo sem trazer um post escrito aqui, apareço para dizer que estou de volta e com algumas ideias novas. Mas, antes de empurrar várias informações para vocês ao mesmo tempo, eu vou explicar um dos motivos que me afastou do blog: os 4 meses que passei nos EUA. 😊

© Versos e Notas - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento por: Colorindo Design - Tecnologia do Blogger.